Rio da Prata

(Não é o estuário-divisa entre Argentina e Uruguai, pelo amor de Deus…)

Uma coisa é certa: se você curte mergulho, de garrafa ou snorkel, você tem mais um motivo para ir correndo a Bonito. A transparência das águas, causada pelo alto índice de calcário que aglutina impurezas, a variedade e quantidade de peixes de água doce – inclusive alguns que você tem aí no seu aquário -, e a flora subaquática compõem um cenário dos mais belos já vistos.

Atrevo-me a dizer que inclusive é mais agradável mergulhar em Bonito do que em Fernando de Noronha, Arraial, etc. Por que? Porque em Bonito, toda a beleza revela-se com um simples snorkel aos seus olhos – tudo já está ali, na sua frente, deleitando sua mente e seus sentidos. Além do que, as flutuações começam nas nascentes dos rios e vão descendo, ou seja, é só aproveitar a correnteza. É como se você estivesse voando por aquele cenário maravilhoso.

Já em mar aberto, para apreciar toda a beleza de um recife de coral, é necessário um mergulho de cilindro – com o snorkel, você só vai ver os peixes que mais se aproximam da superfície. E muita gente ou tem medo de mergulhar de cilindro, ou ainda não fez o curso, ou está / tem algum problema de saúde que a impede de praticar a atividade – eu, por exemplo, estava gripado e com sinusite em Fernando de Noronha, então necas de mergulho de cilindro. Além disso, em mar aberto, você tem que se estabilizar constantemente contra as ondas e correntezas, o que cansa muito mais. Por isso eu fico com Bonito.

O Rio da Prata é, certamente, a mais bela flutuação a se fazer em Bonito. Na verdade, o passeio começa na nascente do rio Olho d’água – que fica em Jardim, município vizinho a Bonito.

Aliás, muitas das atrações de Bonito, como o Buraco das Araras, ficam em Jardim, o que leva a um certo mal-estar entre as duas cidades, pois Bonito levou toda a fama (corre uma piada em Bonito onde quem nasce em Bonito é bonito, e quem nasce em Jardim é jardineiro…). É igual à disputa entre Teresópolis e Magé para saber onde fica realmente o pico Dedo de Deus, reivindicado pelas duas cidades – embora Teresópolis também tenha se dado bem na história.

Após meia hora por uma estrada de terra, chega-se à propriedade receptiva do passeio, onde ser-lhe-ão fornecidos os equipamentos necessários – neoprene semi long john (só as mangas compridas), máscara, botinhas impermeáveis e o snorkel. Para o míope aqui, uma caixinha para guardar o óculos dentro do neoprene sem quebrar ou perder. Estes equipamentos já estão incluídos no preço do passeio.

(Também se assina uma ficha contendo nome, idade, pessoa de contato, nome do plano de saúde, etc. – o famoso disclaimer, ou tirar-da-reta-caso-algum-de-vocês-parta-desta-para-a-melhor-por-bater-com-a-cabeça-num-tronco-e-se-afogar)…

Embarca-se então num caminhão pau-de-arara da fazenda até o início da trilha.

Após uma trilha de uns 40 minutos (daí as botas impermeáveis), passando por exemplares da fauna e flora locais, devidamente identificados por tabuletas, chega-se à nascente do Olho d’água. Enfim!

Como em 2004, fui o primeiro a entrar. É FASCINANTE ver os cardumes de piraputangas, corimbatás e outros peixes reunidos na nascente. Uma das mais belas e relaxantes paisagens que você vai ver na vida. Já disse em outros posts que as mídias, quaisquer que sejam elas (fotos, filmes), não irão jamais reproduzir fielmente a realidade de certos lugares, principalmente no que tange à beleza e ao deslumbramento. Este é um desses casos.

img_0538_3_1_1

img_0540_5_1_1

Este aí em cima é o já falado corimbatá.

(Aliás, piraputangas e corimbatás estão para Bonito como o sargentinho está para nossos recifes tropicais…)

Este aí embaixo sou eu, mesmo. ;)

img_0544_8_1

Após uma pequena aula de como flutuar sem atrapalhar o colega (que poucos aprendem), começa-se a descer o rio.

img_0543_7_1

Acima, um pacu e um piau. Abaixo, uma solitária piraputanga.

img_0545_9_1

img_0548_12_11

img_0546_10_1

E um cardume delas, abaixo.

img_0547_11_1

img_0556_19_1

Num certo momento, o passeio é interrompido por uma corda e um tronco atravessados no rio, já que há uma corredeira logo à frente. Volta-se então a percorrer uma pequena trilha e a mergulhar de novo no rio, após a corredeira. Neste momento, é preciso ter um certo cuidado pois a correnteza fica mais veloz nesse trecho e há pedras e troncos no caminho, a serem desviados com algum jogo de cintura.

img_0563_25_1

img_0566_28_1

img_0579_38_1

img_0583_42_1

Após algum tempo, chega-se a um ponto onde se pode observar o fenômeno da ressurgência – fontes subterrâneas de água que brotam no leito do rio, parecendo vulcõezinhos. Interessante notar que os seixos até ficam agrupados em círculos em torno delas.

img_0594_53_1

img_0596_55_1

img_0599_58_1

img_0609_66_11

Neste ponto o Olho d’água já se juntou ao Prata, o que se nota pela temperatura da água, que cai um pouco, e também porque as águas vão ficando mais escuras.

img_0602_61_1

Um dourado em todo o seu esplendor. Um colega contou ter visto um dourado abocanhar uma piraputanga pelo meio e lutar com outros peixes que vieram pegar seus pedaços, até que ele conseguisse engoli-la. Taí algo que eu queria ter visto (e fotografado)…

img_0608_65_1

E, enfim, o último deck onde termina o passeio. Tudo que é bom acaba…

img_0617_72_1

Daí, trocamos de roupa e fomos no mesmo pau-de-arara até a fazenda, onde nos esperava um almoço típico, também incluído no preço. Às 14:00 da tarde e depois de tudo isso, caiu muito bem.

E mais uma vez despedi-me do Rio da Prata (ou seria de Ouro?)

Com relação as fotos, aluguei uma câmera digital já com a caixa estanque, numa loja em Bonito, na Cel. Pilad Rebuá. Os hotéis também alugam digitais subaquáticas. Consegui alugar por R$ 30,00 a diária, já incluídos a gravação no CD, que também vem com imagens profissionais de Bonito de brinde. Isso porque era baixa temporada, pois me falaram que na alta, o aluguel chega a R$ 75,00 por dia!!!

Não mude de canal e continue com a gente.

About these ads
Esse post foi publicado em Bonito, Viagens. Bookmark o link permanente.

6 respostas para Rio da Prata

  1. Emília disse:

    Arthur, o Pirá Miúna é bem confortável mesmo, não? E bem localizado…
    Já o Rio da Prata é um clássico, não é mesmo? Os dourados também são impressionantes…

  2. Arthur disse:

    Emília, o Prata é o clássico dos clássicos!

  3. Bonito disse:

    Olá Arthur! Sou jornalista e trabalho na assessoria de imprensa do Recanto Ecológico Rio da Prata e da Estância Mimosa Ecoturismo. Achei muito bem retratado os seus passeios por nossa bela região. Gostaria de propor uma troca de links entre o seu Blog e o nosso site http://www.bonitoweb.com.br.

    Aguardo sua resposta.
    Obrigada

    Carla Layane

  4. Arthur disse:

    Oi Carla, obrigado pelo reconhecimento! Já está linkado.

    Grande abraço!
    Arthur

  5. Bonito disse:

    Olá Arthur!

    Agradeço a parceria. Segue o nosso Blog Bonito Pantanal, que é relacionado com os passeios: http://bonitopantanal.blogspot.com/

    Tem um link no lado direito do seu Blog.

    Estamos esperando vc para uma nova visita em nossa região! Abraços e bom fds.

    Carla Layane

  6. Arthur disse:

    Oi Carla, valeu! Um dia dou outra passada por aí.
    Abraços e bom carnaval!
    Arthur

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s