Voltando a Istambul

Caros 17 leitores que divido com o Agamenon e o xará Xexéo: grandes poderes trazem grandes responsabilidades e grandes mudanças trazem intermináveis esperas pela reinstalação da internet. Pardon (“desculpe” em turco)…

………

Sorria, você está em Istambul. Parece até filme de espionagem. O araponga chega, se encontra com algum informante nas profundezas das cisternas bizantinas e obtém códigos secretíssimos das ogivas nucleares dos EUA ou da finada URSS (a escolher). Saudades da guerra fria.

Na verdade, não achei Istambul particularmente bonita. Muita mistura arquitetônica, edifícios clássicos e charmosos ao lado das caixas de vidro / concreto da segunda metade do século XX pra cá, muita poluição visual, um monte de letreiros em neón “dos lojinhas”, uma surubada. Andar em Istambul é como atravessar toda a cidade do Rio ou de São Paulo instantaneamente, sem câmara de descompressão.

Mas tudo depende do seu perfil, da sua expectativa. Não espere uma cidade mais ou menos “uniforme” como Paris ou Roma.

….

Desta vez, fiquei no CVK Hotel, ao lado da praça de Taksim. Staff bem atencioso e quarto bom, embora pequeno.

Isso é que é morar embaixo da ponte

Quem vai a Istambul sempre passa pelo Grande Bazar ou pelo Bazar Egípcio. Ou os dois. Lá você vai ter a chance de contemplar a vastidão de seus trabalhados corredores e a diversidade de seus produtos exóticos, e de ser assediado por todos os vendedores te enchendo o saco.

Como não suporto pechinchar, passei batido. Fui dar uma olhada na Nova Mesquita (séc. XVII), ao lado do Bazar Egípcio.

Primeira vez numa mesquita. Que fazer? Me benzer? Não, claro que não. O certo é tirar os sapatos – um costume, aliás, muito higiênico.

………..

Bem melhor do que discutir preço de pratinho

Cruzando a ponte em direção à cidade nova, vemos a Torre de Gálata. Conta a história que sua função era registrar as embarcações que passavam pelo Bósforo para cobrar o pedágio. Na época ainda não tinha onda livre.

……….

Felizmente, há elevadores na torre (e uma fila imensa). De lá, se tem uma visão privilegiada da cidade. O único problema é que a sacada é bem estreita, e passar através de vários turistas fazendo a mesma coisa que você é meio complicado.

“Iskáiláine” de Istambul: Palácio de Topkapi, Hagia Sofia e Mesquita Azul

Também não tive nenhuma experiência gastronômica especial na Turquia. Tem o manti, um capelleti de carne com molho de iogurte – nada demais. E os kebabs e köftes.

Em caso de emergência, chame o serviço de quarto!

E chegamos aos dois grandes ícones de Istambul: a Mesquita Azul e a Hagia Sofia (Sagrada Sabedoria). Esta última foi construída por ordem do imperador bizantino Justiniano no século VI para ser a basílica de Constantinopla e assim foi, até a tomada da cidade pelos turcos otomanos em 1453. Sob nova direção, Constantinopla passou a se chamar Istambul e a basílica virou mesquita, até 1931, quando foi transformada em museu no governo de Atatüüüüüüüüüüüüürrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrkkkkkkkkkk, o Magnânimo.

………..

Gire sua mão, com o polegar enfiado num buraco neste pilar e faça um pedido. Não custa tentar

(To be continued)

About these ads
Esse post foi publicado em Istambul, Turquia, Viagens e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

6 respostas para Voltando a Istambul

  1. Nívia disse:

    Nunca pensei que um dia poderia dizer isso: – Que vontade de vender meu apt e ir morar embaixo da ponte! Post Perfeito!

  2. Mari Campos disse:

    Arthur, eu AMO Istambul. Fui duas vezes e pretendo voltar pelos menos mais umas duas antes de morrer (tomara que demore tão temida data :mrgreen: ) E acho a cidade linda de morrer, até onde ela é feia :D Ando pelas ruas imaginando aaaaaltas crônicas e romances policiais hahaha Ah! Em comum temos o mesmo ódio pela pechincha: eu só entro no Grand Bazaar pra fotografar!

  3. Mari Campos disse:

    Meu comment foi pro poço? :(

    • Arthur "H" disse:

      Nívia, mesmo assim, eu só fico pensando no barulho e no mofo naquelas casas… ;)

      Mari, de fato Istambul atiça a imaginação dos pretendentes a roteiristas de cinema. Mas o lance da pechincha no Oriente Médio – ou então em táxis de locais sem taxímetro, tipo Peru: não é comigo.

      É possível que eu volte a Istambul, mas os top 3 da Turquia para mim são:
      1- VÔO DE BALÃO!
      2- Pamukkale;
      3- Bodrum

      Valeu e Bjs!

      • Eu também odeio pechinchar! Tenho pavor! Não entendo quem acha que isso faz parte da diversão. O pior é que onde essa prática é comum nós que não gostamos de pechinchar acabamos pagando mais caro. :-(

        • Arthur "H" disse:

          Camila, esse é o problema, sempre parece que saímos perdendo quando (tentamos) pechinchar… Mas acho que o povo também conta muita vantagem, muita gente sai dizendo que conseguiu 99,9999% de desconto e na verdade, não foi bem assim ;)
          Bom, parece que essa é mais uma das grandes divisões da humanidade: os que gostam e os que não gostam de pechinchar!

          bjs!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s